Trump cancela reunião histórica com Kim Jong-un

O Presidente norte-americano anunciou que encontro com líder norte-coreano já não vai acontecer.

Donald Trump anunciou esta quinta-feira que cancelou a reunião histórica com Kim Jong-un. Numa carta escrita ao líder norte-coreano, o Presidente dos Estados Unidos justificou a decisão com "a enorme raiva e hostilidade aberta" por ele demonstrada.

A mensagem foi partilhada pela Casa Branca no Twitter.

O encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un estava agendado para 12 de junho em Singapura e nos últimos dias antecipava-se a possibilidade de não vir a acontecer.

Na carta escrita ao líder norte-coreano, o presidente dos EUA diz que considera este encontro "inapropriado". Diz que estava ansioso pela chamada cimeira de Singapura, mas que "a enorme raiva e hostilidade aberta" manifestada nas mais recentes declarações de Kim Jong-un o levaram a decidir cancelá-la.

"Fala acerca das suas capacidades nucleares, mas as nossas são tão fortes e poderosas que eu rezo a Deus para que nunca as tenha de usar", escreve Trump, que considera esta uma "oportunidade perdida" e "um momento triste da História".

O Presidente norte-americano agradece ainda a libertação dos reféns que aconteceu recentemente. "Foi um gesto bonito e muito apreciado", diz, acrescentando que, caso Kim Jong-un decida "mudar de ideias", poderá telefonar ou escrever.

O anúncio do cancelamento da cimeira acontece pouco depois de a Coreia do Norte ter confirmado que destruiu "completamente" esta quinta-feira o seu único campo de testes nucleares, o local subterrâneo de Punggye-ri, onde enormes detonações foram ouvidas pelos jornalistas convidados para testemunhar o desmantelamento.

A decisão da Coreia do Norte de encerrar o local de testes nucleares era vista como um gesto positivo de Kim Jong-un para dar um tom positivo antes da cimeira com os Estados Unidos. No entanto, nos últimos dias foram surgindo vários problemas que fizeram antever este desfecho que Trump acabou por confirmar.

Já esta quinta-feira, uma alta responsável da diplomacia norte-coreana classificou de "idiotas e estúpidos" os comentários do vice-presidente norte-americano e avisou que a Coreia do Norte poderia reconsiderar a cimeira.

"Não posso esconder a minha surpresa perante as observações idiotas e estúpidas vindas da boca do vice-Presidente norte-americano", salientou a vice-ministra norte-coreana dos Negócios Estrangeiros, Cheo Son-hui, em declarações citadas pela agência de notícias oficial do país, a KCNA.

A governante norte-coreano referia-se a uma entrevista ao vice-presidente norte-americano, Mike Pence, no canal de televisão Fox News, na segunda-feira, e na qual este afirmava que o processo de desnuclearização da Coreia do Norte podia seguir o modelo da Líbia, que terminou com a morte de Muammar Kadhafi, após este ter renunciado ao projeto de construir a bomba atómica.