22 detidos na Catalunha por suspeita de desvio de fundos para independência

Operação Estrela investiga o alegado desvio de dois milhões de euros da ajuda à cooperação externa para o processo independentista.

A polícia espanhola está hoje a revistar as sedes de várias instituições públicas na Catalunha numa grande operação para investigar o desvio de fundos para a organização do processo de independência interrompido em 2017. Há, segundo o La Vanguardia, 22 pessoas detidas.

Segundo a imprensa espanhola, os agentes da unidade de delitos económicos e fiscais lideram a operação que investiga o alegado desvio de dois milhões de euros da ajuda à cooperação externa para o processo independentista.

A operação denominada "Estela" está a ser levada a cabo simultaneamente em Barcelona, Tarragona e Girona, e inclui, entre outros, a sede do Governo da província de Barcelona, vários edifícios do Governo catalão (Generalitat), entidades sem fins lucrativos e empresas catalãs.

Várias pessoas detidas teriam sido acusadas de alegados delitos de prevaricação, tráfico de influências, desfalque de dinheiros públicos, falsificação de documentos e fraude na concessão de ajudas por um valor mínimo de dois milhões de euros.

Segundo as fontes citadas, a investigação é centrada num esquema de corrupção que alegadamente desviava fundos do Governo provincial de Barcelona, destinado a projetos em países em desenvolvimento, para outros beneficiários, que por sua vez os aplicavam no financiamento do processo de independência da Catalunha.

O Governo central de Madrid interrompeu em 27 de outubro de 2017 a tentativa de criação de uma República independente na Catalunha, que teve o seu ponto mais alto na realização de um referendo de autodeterminação em 01 de outubro do mesmo ano.