Presidente de Angola diz que crise migratória é "vergonha" para a Europa

João Lourenço foi o primeiro chefe de estado angolano a discursa no Parlamento Europeu e chamou a atenção também à necessidade de se combater o terrorismo.

O Presidente de Angola, João Lourenço, afirmou nesta quarta-feira em Estrasburgo que há matérias de "interesse comum" nas relações com a União Europeia que importa discutir, destacando a dos fluxos migratórios, uma questão que admitiu ser motivo "de vergonha".

"As relações entre Angola e a União Europeia e o Parlamento Europeu são antigas, com algumas décadas já. Temos questões de interesse comum a discutir, nomeadamente questões que têm a ver com desenvolvimento económico e social dos nossos países, questões de segurança, de necessidade de combate ao terrorismo e, sobretudo, necessidade de controlarmos a imigração que se vem verificando nos últimos anos e que em nada nos honra, antes pelo contrário, nos envergonha", disse.

João Lourenço tornou-se o primeiro chefe de Estado angolano a discursar no Parlamento Europeu.

África como "prioridade" para o Parlamento Europeu

João Lourenço, que falava em declarações conjuntas à imprensa com o presidente da assembleia europeia, Antonio Tajani, imediatamente antes de discursar no hemiciclo, acrescentou que, para abordar "todas essas questões", há naturalmente que "conversar", justificando desse modo a sua deslocação ao Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

Por seu turno, Tajani sublinhou que, para o Parlamento Europeu, África "é uma prioridade" e é uma aposta da assembleia "reforçar os laços entre a União Europeia e países africanos".

Apontando igualmente "o problema das migrações" e a luta contra o terrorismo como prioridades na agenda de interesses comuns, o presidente do Parlamento acrescentou que partilha com João Lourenço "a mesma visão, no sentido de um desenvolvimento das relações".