Donald Trump é o "Churchill do século XXI"?

A ministra da Justiça israelita diz que sim. Foi dessa forma que Ayelet Shaked apelidou o Presidente norte-americano, por este ter relocalizado a embaixada norte-americana em Jerusalém.

Ayelet Shaked afirmou esta segunda-feira que, com esta mudança, Trump "reverteu a política de capitulação de Chamberlain" e mostrou ao mundo que "o dono da terra voltou".

Os anteriores presidentes dos Estados Unidos, de ambos os partidos, assim como quase todos os outros países, abstiveram-se de abrir embaixadas em Jerusalém, argumentando que o estatuto final da cidade deve ser primeiro resolvido através de negociações israelo-palestinianas.

Ayelet Shaked pareceu comparar essa polícia ao apaziguamento dos nazis antes da Segunda Guerra Mundial, do primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain, sugerindo que Trump é como o seu sucessor, Winston Churchill, que liderou o esforço de guerra.

Shaked, do partido judeu pró-colonizador, acusou a Europa de não ter aprendido com a história e de fechar os olhos ao fortalecimento do Irão, tal como "fechou os olhos ao fortalecimento dos nazis".

A decisão de Donald Trump de transferir a embaixada norte-americana de Telavive para Jerusalém foi aplaudida por israelitas e condenada por palestinianos.

Entretanto, o secretário de Estado do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou que esta relocalização é uma "prioridade de segurança nacional" dos Estados Unidos.

Steven Mnuchin falava durante um evento antes da cerimónia oficial de abertura da embaixada norte-americana em Jerusalém.