Para onde vão os pais natais no verão?

V com Reuters17h34 — 23 Julho 2018

Não há onda de calor que os trave: são pais natais, têm orgulho nisso e até merecem um campeonato só para eles. É o congresso da especialidade, em Copenhaga.

Desafiando a onda de calor da Europa, mais de 150 pais natais de todo o mundo vestiram os seus fatos pesados e colocaram as suas barbas frondosas para o 61.º congresso destes profissionais, em Copenhaga, na Dinamarca.

Muitos dos delegados, oriundos de países tão distantes como o Japão e os Estados Unidos, mostraram-se junto ao mar. E os banhistas locais gostaram das vistas.

Durante os três dias de congresso, os participantes vão fazer atividades de turistas, como visitar a estátua da pequena sereia durante um desfile, e outras mais exclusivas, como o Campeonato Mundial de Obstáculos de Pais Natais.

"Normalmente nós, pais natais, trabalhamos sozinhos", afirma à Reuters Ian Tom, escocês de 67 anos, que já vai no sexto congresso da especialidade. "Isto é como uma grande família. Mas uma família com a qual tu te dás bem."

Para Douglas, 60 anos, de Washington DC, nos Estados Unidos, que vai já na 12.ª convenção, é o lado internacional do evento que o atrai de volta.

"É interessante como, quando conhecemos os outros, a cultura dos outros passa para ti e vice-versa. Por exemplo, muitos dos fatos de pai natal de hoje não são os tradicionais dinamarqueses cinzentos. Tornaram-se mais americanos, o que, de certa forma, é uma vergonha."

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG