Bilionário quer pôr Israel na Lua em 2019

Projeto financiado por bilionário israelo-sul-africano tem investimento de 81 milhões de euros e planeia pouso de módulo espacial no satélite da Terra em fevereiro de 2019.

Uma organização israelita afirmou esta terça-feira que quer ser a primeira entidade não-governamental a levar uma nave à Lua, planeando o lançamento de um módulo não tripulado para dezembro.

O projeto é da organização SpaceIL e da empresa estatal aeroespacial. Deverá custar 95 milhões de dólares (81 milhões de euros), a maior parte dos quais pagos pelo bilionário israelo-sul-africano Morris Khan.

O módulo, que ainda não tem nome e pesa 585 quilos, irá para os Estados Unidos por mar e será lançado por um foguetão SpaceX Falcon até ficar em órbita e usará a gravidade terrestre para girar à volta do planeta e ser lançado por uma fisga, prevendo-se que chegue à Lua a 13 de fevereiro de 2019.

Quando alunar, tirará e enviará fotografias e recolherá dados sobre o magnetismo lunar, que serão estudadas pelo instituto Weizmann de Israel.

O objetivo da missão será pôr uma nave israelita na Lua e inspirar gerações futuras de israelitas para que escolham carreiras na matemática, ciência e engenharia, afirmou o presidente das Indústrias Aeroespaciais Israelitas, Joseph Weiss.

A missão estará cumprida dois dias após a chegada à Lua, mas os responsáveis do projeto esperam que continue a ter impacto para além disso, ajudando a manter o impulso tecnológico em Israel.

Se a missão for bem-sucedida, Israel será o quarto país a chegar à Lua, depois dos Estados Unidos, Rússia e China.