E se a quimioterapia for desnecessária no tratamento do cancro da mama?

Um estudo feito nos Estados Unidos concluiu que a maioria das mulheres com a forma mais comum de cancro da mama pode saltar a quimioterapia sem afetar as suas hipóteses de vencer o cancro.

Testes genéticos feitos nos Estados Unidos mostram que, para a maioria das mulheres com cancro da mama num estadio inicial, a quimioterapia não vem adicionar eficácia ao tratamento. A cirurgia e a ação de bloqueadores hormonais são os processos que resultam.

Mas os resultados só são verificados quando a doença ainda não se espalhou para os gânglios línfáticos e não é alvo do medicamento Herceptin. E só está em causa o tipo de cancro da mama mais comum entre as mulheres.

Foi o maior estudo alguma vez realizado sobre os tratamentos do cancro da mama e os resultados podem vir a modificar a forma de tratar esta doença.

Os resultados do estudo são hoje, 3 de junho, discutidos numa conferência sobre cancro em Chicago e serão publicados na revista científica New England Journal of Medicine.

Espera-se poupar cerca de 70 mil doentes que todos os anos nos Estados Unidos e em outros locais passam por esta provação e fazem despesas com estes medicamentos.