Mick Jagger confirma fama de maior pé-frio dos Mundiais

Histórico de azarado nas bancadas começou há duas décadas, em 1998, na França. De lá para cá, sempre que o líder dos Rolling Stones confirma o apoio a uma equipa é um mau sinal. Na meia-final desta terça-feira, entre Inglaterra e a Croácia, o pé-frio de Jagger atacou novamente.

A trajetória de azarado do líder dos Rolling Stones completou duas décadas na Rússia. Em 1998, no Mundial de França, Mick Jagger estava no estádio quando a Inglaterra foi eliminada pela Argentina nos oitavos.

Os portugueses têm motivos para serem ainda mais fãs dos Stones. Em 2006, na Alemanha, novamente o cantor esteve presente numa partida do "English Team", justamente frente a Portugal, que terminou apurada na disputa por penáltis.

No Mundial da África do Sul, em 2010, o pé-frio de Mick Jagger foi além dos jogos da Inglaterra. Começou, é claro, com na derrota frente à Alemanha (4-1), mas seguiu depois quando ele decidiu "apoiar" os Estados Unidos, eliminados por Gana (2-1), e ao Brasil, igualmente desclassificado pela Holanda (2-1).

Quatro anos depois, no Mundial do Brasil, a fama do cantor já estava consolidada e, no início da febre dos memes, a tendência era publicar fotos de Mick Jagger com a camisa dos rivais.

O caso mais emblemático e 2014 foi a presença de Jagger no Mineirão, na goleada da Alemanha (7-1) contra o Brasil. Na ocasião, o cantor confessou que poderia ser responsável pelo primeiro golo alemão, mas não pelos outros seis.

No Mundial da Rússia, Mick Jagger voltou a ir a um jogo do Brasil, contra a Costa Rica, na primeira fase. Porém, saiu aos 90 minutos, quando a partida ainda estava 0-0. Um minuto depois, Philippe Coutinho abriu o marcador para os brasileiros e aos 97 Neymar fez o segundo.

Na meia-final frente à Croácia, o vocalista dos Stones não só foi ao estádio como ainda partilhou no Twitter seu apoio.

O resultado, todos já sabem.