Alive volta para o ano. Pearl Jam despedem-se com um "até à próxima"

O alinhamento do concerto da banda de Eddie Vedder foi feito a pensar numa relação que começou em 1996 no extinto Pavilhão Dramático de Cascais

Os Pearl Jam renovaram no sábado no festival Alive, em Oeiras, os votos com o público português, de uma relação que começou há 22 anos em Cascais, como o vocalista, Eddie Vedder, fez questão de lembrar.

No terceiro e último dia da 12.ª edição do festival, os Pearl Jam eram a banda mais aguardada e a que mais público juntou em frente ao palco principal.

Com os Pearl Jam não há concertos iguais. O alinhamento foi feito a pensar numa relação que começou em 1996 no extinto Pavilhão Dramático de Cascais onde tocaram, tal como este sábado, "Even Flow", como recordou Eddie Vedder.

Desses tempos, a banda tocou temas como "Black", "Jeremy" e "Alive", que se julgava ser o tema de fecho do concerto, mas a banda preparou um 'encore' no qual invocou John Lennon, com "Imagine", os Pink Floyd, com "Confortably Numb", e Neil Young, com "Rockin' in a free world", que contou com a participação de Jack White.

Ao longo das cerca de duas horas de espetáculo, Eddie Vedder levou para o palco a vertente de ativista, afirmando que caberá às gerações futuras "tomar conta desta merda". "Eles [numa clara referência a líderes como o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump] um dia vão embora, mas é preciso apressar isso", disse.

Eddie Vedder, 52 anos, um dos últimos sobreviventes entre os vocalistas fundadores do movimento 'grunge' de Seattle, apelou ao respeito pelas diferenças, pelos direitos das mulheres e pela preservação do meio ambiente.

No terceiro concerto no NOS Alive, Eddie Vedder dirigiu-se várias vezes ao público em português, a quem brindou e de quem se despediu, com um cachecol da seleção portuguesa de futebol ao pescoço, com um "até à próxima".

O público pediu mais, mas a seguir entrariam em palco, já pelas 02:00 de hoje, os MGMT.

Os Pearl Jam foram a razão de ser da enchente do terceiro e último dia do festival, que regressa em 2019 ao Passeio Marítimo de Algés, de 11 a 13 de julho.

No sábado, a promotora Everything is New e a câmara municipal de Oeiras anunciaram um novo protocolo por cinco anos para fazer o festival e para "criar melhores condições de mobilidade, de acessibilidade, de segurança" no recinto.